Image for post
Image for post
Image for post
Image for post
Composição: Fotos de Walter Firmo

O Cronista do povo brasileiro, O SAMBA, pede passagem

O SAMBA sempre vence, o SAMBA sempre vencerá

Image for post
Image for post
Heitor dos Prazeres, Morro da Mangueira (1965). Óleo sobre tela. Coleção Roberto Marinho

Que caralho é isso de chamar o Chico Buarque de ‘maior compositor brasileiro’? Isto não é mais a terra de Alberto Nepomuceno, Hekel Tavares, Heitor Villa-Lobos e Carlos Gomes? Compositor é uma coisa, sambista é outra. Chico é apenas um sambista que comprou um dicionário de rimas. | Olavo de Carvalho (2015)

O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira. | Zé Luiz do Império Serrano (2019).

Image for post
Image for post
Cartola e o carro da polícia (Foto: Eurico Dantas — 1976 | Acervo O Globo)

Olavo de Carvalho é, dizem, além de filósofo, escritor, jornalista, ensaísta e conferencista. Zé Luiz do Império é compositor, gênio da música popular brasileira, que se sustentou como técnico em telecomunicações para nas brechas poder se dedicar a sua arte; como todes pretes que lidam com arte costumam fazer. Se você é preto(a) e não precisou de um emprego considerado formal para poder se dedicar a sua arte, saiba, és privilegiado(a), sim!

Image for post
Image for post
Samba da Serrinha (Fonte: http://izavenas.blogspot.com/2016/08/samba-da-serrinha_3.html)

Um diz que o samba e nada são a mesma coisa e outro diz que o samba é o produto mais significativo da cultura brasileira. Poderia aqui traçar paralelos, provar por A+B que é sandice o que diz esse senhor Olavo, mas, tamanha seria a perda de tempo, que prefiro partir do pressuposto de que o samba sempre vence! Vence porque é maior e melhor cronista da vida cotidiana do(a) brasileiro(a).

Image for post
Image for post
Almir Guineto (Fonte: https://immub.org/noticias/do-brasil-a-marte-as-aulas-do-professor-almir-guineto)

Vamos imaginar um papo no bar com seu Samba e perguntar quem Ele chamaria para narrar, por exemplo, a felicidade do(a) morador(a) ao ouvir o carro do ovo anunciando “40 ovos por 10 Reais”? Zeca — dando voz à composição de Marcos Diniz e Rosania Alves — faz isso magistralmente:

A galinha chorou, chorou, de felicidade/ Chegou o carro do ovo para fortalecer nossa comunidade”. Aliás, Zeca Pagodinho, se juntando a Almir Guineto até hoje estraçalham corações com a magistral Lama nas Ruas: “Se há tanta lama nas ruas/ E o céu é deserto sem brilho de luar/ Se o clarão da luz, o teu olhar vem me guiar/ Conduz meus passos por onde quer que vá…

Jorge Aragão e os parceiros Paulo Cesar Feital e Flavio Cardoso, também não ficam para trás, não é, seu Samba? Olha essa:

Depois não vai dizer / que a gente se perdeu / E nem me perguntar / Como isto aconteceu / A gente dava nó / Ninguém foi mais feliz / Não tinha amor maior / De sampa a São Luiz / Não teve amor maior / Ninguém foi tão melhor / Como é que eu vou esquecer…você / Meu desejo vai nesse avião, minha alma fica / Deito em suas mãos o coração e uma cantiga / Cuida bem do amor do meu perdão e das meninas / Deixa o céu no chão e Deus por perto / Quando se tem paz tá tudo certo / Minha estrela que ninguém alcança / Me abraça criança / O amor é só pra quem merece / E por isso pede que eu regresse / A saudade é o mesmo que uma prece de amor…

Image for post
Image for post
Dona Ivone Lara (Fonte: Reprodução TV Globo)
Image for post
Image for post
Clara Nunes (Foto de Wilton Montenegro/Divulgação

Os dedos pegaram pressão e eu só quero saber de escrever para provar que o ilustre convidado do meu texto é pau para toda obra, é o maior e melhor contador de história e um dos mais potentes educadores que eu conheço. Foi Clara Nunes que me ensinou as saudações aos Orixás e o sincretismo religioso brasileiro no trecho da música Guerreira, de João Nogueira e Paulo Cesar Pinheiro, na qual ela, macumbeira de primeira, saúda o panteão africano:

“Salve o Nosso Senhor Jesus Cristo, Epa Babá, Oxalá!/ Salve São Jorge Guerreiro, Ogum, Ogunhê, meu Pai!/ Salve Santa Bárbara, Eparrei, minha mãe Iansã!/ Salve São Pedro, Kaô cabecilê, Xangô!/ Salve São Sebastião, Okê arô, Oxóssi!/ Salve Nossa Senhora da Conceição, otopiabá, Yemanjá!/ Salve Nossa Senhora da Glória, oraieiê, Oxum!/ Salve Nossa Senhora de Santana, Nanã Burukê, Saluba, vovó!/Salve São Lázaro, atotô, Obaluaiê!/ Salve São Bartolomeu, arrobobó, Oxumaré!/ Salve o povo da rua, salve as crianças, salve os preto véio Pai Antônio, Pai Joaquim de Angola, vovó Maria Conga, saravá!/ E salve o rei Nagô!”

Image for post
Image for post
Reprodução Internet

O senhor, seu Samba me ensinou também que lugar de mulher é no seu território quando eu vi Tia Doca conclamar suas pastoras para entoar sambas que sem as mulheres não faziam — e não fazem — o menor sentido. Também, olha só quem é a autora do rabisco: DONA IVONE LARA e Hélio dos Santos!!!

…Nem ao menos em pensamento/ Tive alívio em minha dor / Sofri muito por querer/ Ser feliz com teu amor/ E alimentei uma ilusão/ Dentro do meu coração/ E hoje vivo tristonho/ Por resignação …Laia, laia, lá lá lá lá lá lá lá lá…

Esse contador de história que é o Samba também entende de métricas e poesias como ninguém. Artesão da melodia como Cartola até hoje não se vê por aí! O exercício de fechar os olhos e ouvir Autonomia é simplesmente…:

Ai! Se eu tivesse autonomia/ Se eu pudesse gritaria/ Não vou, não quero/ Escravizaram assim um pobre coração/ É necessário a nova abolição/ Pra trazer de volta a minha liberdade/Se eu pudesse gritaria, amor/Se eu pudesse brigaria, amor/ Não vou, não quero.

Image for post
Image for post
Seu Wilson Moreira (Fonte: Coletivo Sindicato do Samba https://osindicatodosamba.com.br/2016/06/30/momentos-de-uma-tarde-na-casa-de-wilson-moreira/)

Se a gente encomendasse para esse cronista o assunto saudade, olha o que Ele poderia nos dar.

Saudade/ Veio à sombra da mangueira/ Sentou na espreguiçadeira e pegou no violão / Cantou a moda do caranguejo / Me estendeu a mão prum beijo / E me deu opinião (opinião, opinião) / Depois tomou um gole de abrideira / Foi sumindo na poeira / Para nunca mais voltar / É isso aí, ê Irajá / Meu samba é a única coisa que eu posso te dar. | Wilson Moreira e Nei Lopes

Aliás, seu Olavo de Carvalho, falando de Nei Lopes e Wilson Moreira me veio um gosto de luta, de protesto — as vezes de sangue, algumas de Glória. Por isso, queria fazer um pedido especial ao cronista homenageado — melhor escritor que o senhor, sem a menor sombra de dúvida — , para nos mostrar com quantas estrofes se faz um samba de protesto. Seu samba, fique à vontade, a escrita é toda sua:

Negro acorda é hora de acordar / Não negue a raça / Torne toda manhã dia de graça / Negro não se humilhe nem humilhe a ninguém / Todas as raças já foram escravas também / E deixa de ser rei só na folia e faça da sua Maria uma rainha todos os dias / E cante o samba na universidade / E verás que seu filho será príncipe de verdade / Aí então jamais tu voltarás ao barracão. | Candeia

Image for post
Image for post
Zé Luiz do Impérpio (Foto: Bruno Veiga)

Resista que o dever do artista é resistir / Pra não morrer vivo nem cativo sucumbir / Faça da emoção a sua profissão de fé / Trate a inspiração como um botão de um bem-me-quer / Mentes e pincéis, rimas, cinzéis e violões / A serviço sempre das mais belas intenções / Nem reis nem barões comprarão a consciência / De quem faz arder a chama da resistência / Na sua pintura pinte um retrato de Deus / Na arquitetura erga vários coliseus / Mas nunca se esqueça que do velho nasce o novo / E todo poder só é real se vem do povo. | Zé Luiz e Nei Lopes

Image for post
Image for post
Zeca Pagodinho, Clementina de Jesus, Beto Sem Braço e Jovelina Pérola Negra (Fonte: https://www.picuki.com/tag/betosembra%C3%A7o)

Música tem que fazer sentido para quem ouve, quem sente. A arrogância do sistema racista, que gera privilégio para uns enquanto para outros gera perdas e sofrimentos, legitima posicionamentos como esse do senhor Olavo, que mesmo sendo de 2015, reverbera até hoje. SAMBA é patrimônio brasileiro por ser a maior representação da nossa cultura. O que o Brasil tem de único vive no popular, no cotidiano, nas periferias, na NEGRITUDE.

Image for post
Image for post
Nei Lopes (Foto Divulgação)

Obrigada ao Senhor, seu SAMBA, por nos devolver diariamente a alegria, a poesia e a esperança de um novo amanhã! Se me permite uma singela homenagem, te dedico as estrofes de “Seja Sambista Também”, dos teus pupilos Arlindo Cruz e Sombrinha. E sigamos sambando!

Não, negligência não
Se for apanhar meu violão
Cuide dele com carinho
Toque nas cordas macio
E tente cantar samba
Sei que o início
Até pode ser difícil
Mas fazendo um sacrifício
Será bem recompensado

Pois o samba marca como um giz
É eterno porque é raiz
Pois o samba marca como um giz
É eterno porque é raiz

Não quero dizer que viver é só sambar
Mas sambar é viver
É saber se encontrar
Só o samba faz a tristeza se acabar
Só o samba é capaz desse povo alegrar

Ser sambista é ver com olhos do coração
Ser sambista é crer que existe uma solução
É a certeza de ter escolhido o que convém
É se engrandecer e sem menosprezar ninguém

Aconselho a você que seja sambista também
Aconselho a você que seja sambista também
Aconselho a você que seja sambista também

ACERVO DE COMUNICAÇÃO DECOLONIAL, INTERSECCIONAL, ANTIRRACISTA, CIDADÃ E COMUNITÁRIA ATUALIZADO POR MEMBRES DO COLETIVO PRETARIA. UM PROJETO DO PRETARIA.ORG

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store