Imagem: vermelho.org

Tenhamos piedade de nós

Se, com Grada Kilomba (2019), entendêramos sobre a plantation como organização continuada das relações racial-societárias na modernidade estendida (aqui, compreendo-a desde os Quinhentos luso e inflexionada nos Oitocentos brasileiro, aí território independente na diáspora africana), talvez só saibamos agora, se o fazemos, o que significa pensar, sentir e mobilizar ação e plataforma de luta sob a abordagem traumática — procurem saber. O racismo castista (Wilkerson, 2020) e a traumatização são dos recursos materiais, simbólicos e, em especial, psíquico-subjetivos da supremacia branca e capitalista patriarcal (heterocissexista monossexual) na hierarquização e classificação, inclusão e exclusão da humanidade em suas formas não precarizadas de vida, para ficar com a síntese de bell hooks quanto à interseccionalidade dos sistemas de opressão-dominação no jugo de corpos racializados e feminizados. Em cores locais, geografias, história, economia política e cultura distintas, tais tecnologias sofisticam-se, distinguem-se novamente e persistem com vitalidade indesejável.

Em períodos de recrudescido avanço neoconservador e (raci)fascista, traumas seculares são rançosamente reencenados, porque ainda cicatriz aberta e forclusa, ou seja, denegada e desprezada, nesta ordem, entre ferides e agressories. Medo, hipervigilância, congelamento traumático como reação neuroceptiva ao perigo do extermínio físico ou da perda virtual de vantagens sociais oferecidas unicamente via brancura — e não pela capacidade ou incapacidade própria de realização — seguem causadores das nossas, compartilhadas mazelas jurídico-politicamente enfrentadas no globo.

Sem acrescer novos pontos de exclamação a libelos e larga produção teórica já conhecida a respeito, decidi elencar o que, em um único dia, já há séculos convivemos — e, por alguma razão, ainda suportamos conviver.

A tragédia à brasileira reencontrou em atos e no 7 de outubro a ! (fatorial) remontagem de seus piores dramas: o projeto de distribuição gratuita de absorventes higiênicos (PL 4968/2019, de autoria da deputada federal Marília Arraes, do PT/PE, e outras 30 parlamentares) a corpos que menstruam (sobretudo pretos e pobres de meninas e mulheres cis, homens trans, pessoas transmasculinas, não-binárias e intersexo) recebeu veto da presidência da República; mães pretas e solo desempregadas foram condenadas pelo furto de peças de carne, miojo, refrigerante e suco em pó, e uma delas recebeu sentença pecuniária. Fora considerada reinicidente e, por isso, “perigo à sociedade”; um estuprador notório foi absolvido em segunda instância, mesmo com provas reiteradas de seu crime (basta denunciar, dizem); a Justiça autorizou a construção de uma fábrica de cerveja no sítio arqueológico onde o fóssil Luzia foi localizado; e, por fim, o retorno de gestantes ao trabalho presencial foi aprovado, a despeito dos riscos ainda existentes.

Já não bastassem, o feminicídio seguido de violência sexual (estupro) de Joice Maria da Glória Rodrigues, 25 anos — ela foi asfixiada e concretada em uma parede — é noticiado como ocorrido “após sexo feito com” por um de seus assassinos. Qual afirmou Djamila Ribeiro em sua coluna ao jornal Folha de S.Paulo (08/10/2021): “[…]. Um país que convive natural e diariamente com estupro, agressão, morte e abandono é um país fadado a ser amaldiçoado. É um país de genocídio de mulheres”.

Para efeito de recordação, no Brasil, ocorre um estupro a cada oito minutos, segundo dados do último Anuário Brasileiro de Segurança Pública. O país detém um dos maiores índices de feminicídio no mundo — é o quinto no ranking — , é campeão em casamento infantil e por mortes em decorrência da criminalização do aborto, e onde 5,5 milhões de crianças não possuem o nome do pai na certidão de nascimento (evento, aliás, multicausal).

Em 8 de outubro, o Brasil atingiu o índice de 600 mil vidas perdidas para a Covid-19.

Não sei quem mais precisa ter piedade de nós. A bem da verdade, sugiro que passemos nós a tê-la e encerrar, enfim, tamanho ciclo de sofrimento.

ACERVO DE COMUNICAÇÃO DECOLONIAL, INTERSECCIONAL, ANTIRRACISTA, CIDADÃ E COMUNITÁRIA ATUALIZADO POR MEMBRES DO COLETIVO PRETARIA. UM PROJETO DO PRETARIA.ORG

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Coletivo Pretaria

Coletivo Pretaria

ACERVO DE COMUNICAÇÃO DECOLONIAL, INTERSECCIONAL, ANTIRRACISTA, CIDADÃ E COMUNITÁRIA ATUALIZADO POR MEMBRES DO COLETIVO PRETARIA. UM PROJETO DO PRETARIA.ORG

More from Medium

Fun With Dick and Jane

Getting started with ASP.NET Core

Features:

SPIDERMAN | TOM HOLLAND | LIVE WALLPAPERS | @livtorresec